quarta-feira, 27 de maio de 2009

UM PASSO DE CADA VEZ



Hoje faz uma semana que Caio deu seus primeiros passinhos "conscientes" - olhou para um lugar decidido e foi. Ele vinha ensaiando há um tempo, até já tinha dado uns três ou quatro passinhos sozinho algumas vezes, mas sempre de forma distraída: bastava perceber que estava sem apoio (o que nossa euforia ao seu lado denunciava), para ele se assustar e sentar no chão, ou choramingar pedindo apoio.

Embora por um lado ele seja um menino bem arteiro, curioso, que se mete a fazer coisas de repente e está sempre nos surpreendendo (e às vezes nos assustando também, rá!), por outro, ele vem demonstrando ser uma pessoinha bastante cautelosa, que vai avançando nas suas descobertas a medida que se sente seguro e confiante: foi assim quando começou a engatinhar, foi assim quando aprendeu a subir - e depois descer - degraus, e foi assim agora, para aprender a andar.

Foi incrível acompanhar o processo dele até começar a andar. Diferente de muitas histórias que ouço mães contarem, de filhos que de uma hora para outra simplesmente "levantaram e andaram", a história dos primeiros passos do Caio foi sendo construída aos pouquinhos por ele. (E os pais nos bastidores, controlando a ansiedade, para deixar o pequeno seguir a seu tempo - ô tarefa difícil, mas muito recompensadora!).

Primeiro, o aprendizado de ficar de pé apoiando nos móveis, depois em qualquer superfície (paredes, batentes de porta, nossas pernas...), em seguida aprender a abaixar e levantar de novo apoiando em apenas uma das mãos e, por fim, uma conquista essencial: levantar sozinho, direto do chão, sem apoio nenhum. Esse momento foi marcante, comemoramos muito com ele! E, desde então, sempre que falávamos "Vai filho, de pé, sozinho!" o pequeno ficava todo contente, levantava, se equilibrava um tempinho e depois sentava, batendo palminhas e comemorando o feito.

Assim ficou um tempo, exercitando aos poucos seu equilíbrio em pé sem apoio. Paralelamente, começou a andar de ladinho apoiando nos móveis, paredes e o que mais aparecesse na sua frente. Daí para começar a empurrar uma cadeira tentando andar foi rapidinho, e virou uma nova diversão, que durou mais um bom tempo. Quando completou um ano ele estava nessa fase, e ganhou dos avós paternos um carrinho de empurrar que assumiu o lugar da cadeira, e que ele empurrava para lá e para cá. Até então, ele ainda estava bem durinho, dando aqueles passinhos de robô.

Foi quando ele começou a procurar nossa mão, pedindo - sem palavras - que o levássemos para andar. No início, agarrava bem forte as duas mãos e, se uma delas se soltasse, ele perdia o equilíbrio no ato. Andar ainda era um esforço, não um prazer. Em pouco tempo foi ganhando molejo, equilíbrio, segurança: uma mão só segurando na nossa já era suficiente, e o bichinho começou a tomar gosto pela coisa. Que delícia ouvir um resmunguinho, olhar para ele e ver aquela mãozinha estendida, como que dizendo "mamãe, vamos passear!". E bastava dar um dedinho para ele se levantar feliz da vida nos guiando pela casa ou pelo quintal afora, ainda cambaleante. Mas arriscar alguns passinhos sem apoio, nem pensar.

Permaneceu assim por mais um tempo, o suficiente para firmar completamente os passinhos: estava evidente, para nós, que ele já conseguiria andar sozinho (tanto que, como eu disse, ele até dava alguns passinhos sozinho, de forma quase inconsciente). Mas, apesar da vontade que ele demonstrava sentir de sair por aí andando junto com alguns amiguinhos mais velhos (chegando a ficar bravo algumas vezes por ter que acompanhá-los engatinhando, um barato!), ele tinha medo. Medo, claro!, perfeitamente compreensível, afinal, passar a dois apoios é uma mudança e tanto na vida de um bebê. E quando nos demos conta disso, entendi o meu papel de mãe nesse momento de desafio para o pequeno: passar segurança, mostrar que eu estava ali, que ele não estava sozinho.

Daí, que na quarta-feira passada resolvi ter uma conversa com ele. Falei sobre esse medo, disse que ele precisava tentar, que ele já estava super pronto para andar, que não precisava ter medo, porque eu estaria ali para ele se apoiar, se precisasse, patati patatá e... Não é que funcionou? No mesmo dia (não venham me dizer que foi coincidência), pouco tempo depois dessa conversa, estávamos - eu e a vovó Minês - brincando com o pequeno no quartinho dele. Ele de pé, brincando apoiado na estante de brinquedos, como ele adora ficar. Eu sentada no chão a poucos passos dele. Falei: "vem cá, filho", e ele veio, andando! Andando, na moral!!! Mamãe e vovó surtaram, claro. O papai, na cozinha, ficou com uma invejinha, eu acho (rá!). E aí o menino se achou: andou de novo até a vovó, fez uma onda para aumentar a expectativa dos babões de plantão e, então, olhou para o berço, sem ter ninguém por perto, e foi. Foi, sem nem olhar para trás. Novo surto coletivo. E desde esse dia tem sido um crescente - aí sim, muito rápido - dando cada vez mais passinhos, aumentando as distâncias, se libertando mais dos apoios e de nós. E hoje saquei que ele já está até preferindo, em alguns momentos, ir de um brinquedo a outro andando, e não mais engatinhando...

Então, esse post é para comemorar essa grande conquista do meu filhote. Sim, porque andar muda tudo na vida de um bebê, é o início da transição para virar um menininho, para ganhar mundo! Um novo olhar para tudo, mãos livres para fazer o que quiser, pés aptos para novas brincadeiras (como chutar bola e tudo o mais, que ele adora!), milhares de descobertas pela frente. E nós ali do ladinho, para o caso dele precisar de uma mãozinha...

Imagem: www.gettyimages.com.br

4 comentários - clique aqui para comentar:

disse...

Thaís, que lindo o seu texto! Cada conquista deles é uma vitória nossa tb, né? Acho que ai está a magia de ser mãe.... ver aquela criaturinha tão pequena, tão indefesa, crescer, aprender, se desenvolver.... É super gratificante mesmo!
Beijos

Renata disse...

Que lindo esse texto. Certeza que não foi coincidência ele ter se soltado depois da conversa, ele sentiu segurança! E parabéns pela conquista, tão gostoso ver os pequenininhos cada vez mais e mais independentes, né??
Um beijão pra vc e outro pro Caio lindo!

JULIANA disse...

Ehhhh!!!
Parabéns Caio!

João o Astronauta disse...

Lindo texto!
E parabéns pelas novas conquistas, pra ele e pra voce tambem! Fla